No Cinema com a Mídia apresenta "Truth"

Como prometi, estamos iniciando hoje nossa série No Cinema com a Mídia com o filme Truth, que em português foi lançado com o título Conspiração e Poder, que não traduz tão bem a essência do filme.

A ideia do projeto, como eu havia explicado no post teaser, é debater o relacionamento e o funcionamento da mídia a partir de cenas de grandes filmes, não só sobre a imprensa, mas onde ela esteja presente, bem como debater algumas de suas peculiaridades.

Todos os posts virão com uma resenha do filme, como a abaixo, elaborada pelo meu amigo cinéfilo Marcus Vinícius Nascimento, meu parceiro neste projeto, seguida de alguns questionamentos elaborados por mim, apenas para iniciar o debate com vocês. O debate não é aberto apenas aos profissionais de comunicação, mas a todos aqueles que têm interesse pelo papel da mídia e das fontes, e que curtem um bom filme como nós.

Cabe, entretanto, ressaltar, até para não empobrecer o debate, que o objetivo não é discutir questões políticas, mesmo quando o filme tem uma temática política como Truth.

Leia a resenha do Marcus, veja as minhas questões, prepare a pipoca de micro-ondas e assista ao filme, que está ainda em exibição no Now e no Netflix, no escurinho do seu lar mesmo.

Aguardo os comentários de vocês aos meus questionamentos e sobre o filme em geral.

Bom Filme!!!

CONSPIRAÇÃO E PODER

por Marcus Nascimento

"Numa época em que a imprensa tem um papel fundamental no tratamento e posicionamento quanto às questões políticas e sociais que são vitais para o Brasil e o mundo em geral atualmente, cai como uma luva o tema abordado pelo eletrizante e pungente "Conspiração e Poder", "Truth", no original em inglês, título que sintetiza aquilo que é central no desenvolvimento da trama: o que é a verdade num contexto onde interesses econômicos e políticos, com o auxílio luxuoso da manipulação da mídia e o corporativismo acabam se sobrepondo aos fatos e à realidade.

Bem mais incisivo e dramático na abordagem do universo da mídia como um todo e do cotidiano de jornalistas em busca do "furo perfeito" do que, por exemplo, o recém-vitorioso do Oscar "Spotlight - Segredos Revelados", "Truth" não cai na armadilha de glamourizar a realidade da imprensa e dos repórteres em busca de notícias. Pelo contrário, disseca e revela a podridão que a máquina de interesses políticos e corporativos faz no processo de distorção da realidade com o bom e velho pressuposto de informar aquilo que as massas "precisam" saber.

No filme de James Vanderbilt, uma produtora de televisão e o âncora da rede norte-americana CBS, Dan Rather, em duas atuações primorosas de Cate Blanchet e Robert Redford, respectivamente, passam do céu ao inferno no intervalo de um dia entre a exibição de uma edição do "60 Minutes" que denunciava mais uma daquelas armações de George W. Bush durante a campanha eleitoral para sua reeleição em 2004, acusado de ter sido posto na Guarda Nacional como piloto por indicação política, de forma a escapar da guerra do Vietnã. Era "o furo".

Na verdade, um trunfo de material jornalístico embasado em documentos frágeis e que pela pressa dos executivos da CBS em levar o mais rapidamente possível o programa ao ar, não prescindiu de investigação mais apurada das fontes. O resultado foi que já no dia seguinte à exibição da bombástica edição do "60 Minutes", vários blogs, jornais e emissoras questionavam a legitimidade e veracidade dos memorandos do exército que evidenciavam a fraude de Bush. 

Começa, então, a via Crucis da equipe do "60 Minutes", que além do escrutínio da opinião pública, teve que passar pelo crivo de uma comissão de investigação interna montada pela CBS, liderada por... membros do partido republicano. Cabe lembrar que na época, a CBS acabara de ter seu controle acionário repassado ao grupo Viacom, holding com participação da família Bush. Nada mais a dizer...

Num tom ora vinculado aos grandes filmes de investigação jornalística dos anos 1970, como "Todos os Homens do Presidente" ou ainda mais próximo da abordagem da máquina manipuladora da televisão, destruidora de corações, mentes e reputações de "Rede de Intrigas", "Truth" triunfa na tese de que não há inocentes ou que prevaleça a verdade quando o assunto é... conquistar e consumar-se o poder. Atropela-se o bom senso e oferece-se o circo para a opinião pública. Isso numa época em que as redes sociais eram ferramentas de nerds para conquistas e namoro nas universidades americanas."

‘Truth’ é vibrante, atual, necessário e fascinante.”

marcusviniciusfn@yahoo.com.br

 

 DEBATE

Bom, esse filme poderia levantar uma série de questões importantes. Porém, eu vou me concentrar nas três que me parecem mais fundamentais:

- Até que ponto hoje, a necessidade de um cuidado extremo, inclusive com levantamento de provas originais, inviabiliza ou dificulta o “furo jornalístico”?

- Como se blindar das acusações nas redes sociais, que na época do filme tinham bem menos força do que hoje e mesmo assim provocaram todo um processo pesado de auditoria e a demissão da equipe do "60 Minutes"?

- Até que ponto os jornalistas hoje deveriam ser treinados para responder a esse tipo de questionamento jurídico nesse tipo de situação crítica onde não basta a notícia?